Como manter a saúde mental diante do Coronavírus?

Como manter a saúde mental diante do Coronavírus?

As epidemias podem provocar um pânico generalizado na população, principalmente quando não se tem total conhecimento sobre a doença — é o caso da infecção pelo novo coronavírus (chamado de Sars-Cov-2). Esse tipo de situação pode abalar a saúde mental, causando estresse e ansiedade. Frente a isso, a realidade mais assustadora nem sempre é saber lidar com a doença, ás vez o mais desafiador, lidar com o resultado secundário: aquele criado no imaginário dos indivíduos. A linha entre prevenção e pânico é tênue, e temos que ter cuidado para não cruzá-la, pois o pânico paralisa, e pode nos impedir inclusive de fazermos as mudanças de hábitos que precisamos neste momento. Pensando nisso reunimos algumas dicas de como cuidar das nossas emoções neste momento:

· Evite o bombardeio de informações: Apesar de ser importante procurar conhecimento, o fluxo constante de notícias gera preocupação e estresse. NÃO SE TORNE MONOTEMÁTICO, mantenha outros assuntos e diálogos!

· Consulte apenas fontes confiáveis: Não caia em fake news, não repasse informações duvidosas e preserve a privacidade das pessoas.

· Encontre oportunidades para publicar histórias e imagens positivas vamos falar das histórias de superação, dos bons exemplos, da solidariedade e das maneiras de cuidarmos da nossa saúde integralmente e não só com álcool gel.

· Oriente as crianças e ensine a lidar com as emoções: Os pequenos precisam ficar cientes do que está acontecendo, mas forneça uma explicação condizente com a faixa etária deles e mantenha a rotina o mais normal possível. Ao perceber que os pais estão estressados e ansiosos, eles reproduzem esse comportamento e acabam buscando mais apego ou sendo mais exigentes com os adultos. Ajude as crianças a encontrar maneiras positivas de expressar sentimentos como medo e tristeza. Cada criança tem sua própria maneira de expressar emoções. Às vezes, se envolver em uma atividade criativa, como jogar e desenhar pode facilitar esse processo. As crianças sentem-se aliviadas se puderem expressar e comunicar seus sentimentos perturbadores em um ambiente seguro e solidário.

· Tenha paciência com os idosos: Essa é uma dica crucial, visto que os mais velhos são a principal população de risco para sofrer complicações da Covid-19. Ofereça recomendações claras sobre a prevenção da enfermidade e as repita quantas vezes for necessário, sempre de forma calma e respeitosa.

· Os filhos não estão indo á escola: Encare como algo positivo, momento pra resgatar histórias de família, os jogos de tabuleiro, brincadeiras da sua própria infância, baú de fotos, contação de histórias. Este pode ser um ótimo momento de conexão pais e filhos.

Se você está se sentindo ansioso, estressado ou apavorado diante das notícias, mude o contexto envolva-se nos seus afazeres ou em atividades relaxantes (ler, se exercitar, meditar) e passe a se informar em momentos específicos, de uma a duas vezes ao longo do dia e foque somente no que ajudará a tomar atitudes práticas para prevenção, especialmente em sites e comunicados oficiais; Se a ansiedade persistir busque apoio psicológico, este pode ser feito online se você se sentir mais seguro. Lembre-se o não é momento de pânico , mas os cuidados e mudanças de hábitos são atitudes necessárias, siga á risca as orientações dos órgãos de saúde. Mas não esqueça de cuidar também das emoções, preservar nossa saúde mental, é essencial para que nos mantenhamos saudáveis!!

Texto elaborado pela Neuropsicóloga Márcia Baiocchi Amaral com base na Mental Health Considerations during COVID-19 Outbreak .

Disponível em https://www.who.int/docs/default-source/coronaviruse/mental-health-considerations.pdf?sfvrsn=6d3578af_2. Acessado em 17/03/2020.

Márcia Baiocchi Amaral
Márcia Baiocchi Amaral
Neuropsicóloga CRP 07/13656 - Graduação em Psicologia UPF - 2004 - Especialização em Intervenções Psicossociais UPF - Especialização em Neuropsicologia - FADERGS/RS - Especialista em Neuropsicologia pelo Conselho Federal de Psicologia - Especialização em Preceptoria em Saúde- Hospital Sírio Libanês - Mestranda em Atenção Integral a Saúde UNIJUÍ - Professora da Pós-Graduação em Neuropsicologia CEFEI- Ijuí/RS e do Curso de Psicologia da SETREM/ Três de Maio.